Tai Chi Chuan

Tai Chi ChuanO Tai chi chuan tem suas raízes na China, sendo atualmente uma arte praticada no mundo todo. É apreciado no ocidente especialmente com a sua relação com a meditação e com a promoção da saúde, oferecendo aos que vivem no ritmo veloz das grandes cidades uma referência de tranquilidade e equilíbrio.

Benefícios:

  • Diminui a ansiedade;
  • Trabalha a respiração;
  • Melhora a consciência corporal;
  • Alinha as articulações e a coluna;
  • Tonifica os músculos de forma isométrica;
  • Totalmente sem impacto;
  • Melhora a memória;
  • Aumenta a produção de cálcio, prevenindo a osteoporose;
  • Alongamento instantâneo dos membros;
  • Regula os hormônios da tireoide;
  • Aprimora a concentração e a percepção.

O estilo praticado pela Ginástica Corporativa é o Yang. Contate-nos para disponibilizar esse serviço no seu espaço! Você pode ter aulas no seu Spa ou Resort ou em eventos.

Oferecemos também a opção de personal trainer de Tai Chi Chuan,  ideal para você que gostaria de ter mais praticidade, aulas personalizadas e particulares em sua casa ou no parque mais próximo, com instrutores formados pela Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan.

Um Pouca da História

Tai chi significa “o supremo”. Isto significa melhorar e progredir em direção ao ilimitado; significa a existência imensa e o grande eterno. Todas as várias direções em que a influencia do Tai Chi foi sentida, foram guiadas pela teoria dos opostos: o Yin e o Yang, o negativo e o positivo. Algumas vezes são chamados de princípio original. Também acreditava-se que as várias influencias do Tai Chi apontavam em uma direção só: em direção ao supremo.

Tai Chi encoraja o preenchimento individual da pessoa e enfatiza que este objetivo deve ser atingido através de um modo de vida natural e moderado. Examinando a história chinesa encontramos que a um certo ponto, esta idéia começou a ser aplicada apenas em termos de poder político beligerante: ser uma pessoa suprema era ser o mais poderoso governador. A idéia de uma natureza simples humana foi ignorada.

Aproximadamente há 1700 anos atrás, um famoso médico Chinês, o doutor Hua-Tuo, enfatizou o exercício físico e mental como um meio de melhorar a saúde. Ele acreditava que os seres humanos deveriam exercitar-se e imitar os movimentos de animais tais como, pássaros, tigres, cobras e ursos, para recobrar suas habilidades originais de vida, que tinham sido perdidas. Assim ele organizou artes folclóricas de luta chamadas de a Luta dos Cinco Animais. Esta foi a primeira arte marcial sistematizada na China. Desde então, a Luta dos Cinco Animais tornou-se popular na China que a praticava como um exercício para a saúde.

Por volta de 475 D.C. Ta-Mo (Bodhidharma) veio para a China desde a Índia, para difundir seus ensinamentos religiosos e foi residir no Templo Shaolin na área de Tang Fung, no Norte da China. Além de obrigações religiosas e meditação, ele incluiu treinamentos físicos na rotina diária dos monges. Usou a Luta dos Cinco Animais para desenvolver em seus seguidores, uma disciplina de equilíbrio físico e mental. A dedicação ao Budismo, combinada com uma abundância no tempo para a prática, permitiu que a Luta dos Cinco Animais de desenvolvesse neste contexto numa arte marcial de alto nível.

Em 1200 D.C. o monge Taoísta Chang San-feng fundou um templo na Montanha Wu-tang, para a prática do Taoísmo, visando o supremo desenvolvimento da vida humana. Mestre Chang enfatizou a harmonia de Yin/Yang como um meio de melhorar o desenvolvimento da mente e da habilidade física, meditação natural tão bem como com movimentos naturais do corpo propulsados por uma energia interna que deveria ser desenvolvida a um certo nível de aquisição.

Desde que o sistema Shaolin tinha já sido difundido através da China por centenas de anos, a idéia de adaptar a teoria Taoísta a vida diária, ao invés de fazê-la de forma de adoração religiosa, foi facilmente aceita pela sociedade Chinesa. O pensamento Tai Chi e a sua filosofia Yin/Yang rapidamente se desenvolveram numa organização baseada no modelo do Templo Shaolin. Uma forma modificada de treinamento monástico foi adotada para promover o sistema sofisticado numa forma missionária.

Desde que o sistema Shaolin tinha já sido difundido através da China por centenas de anos, a idéia de adaptar a teoria Taoísta a vida diária, ao invés de fazê-la de forma de adoração religiosa, foi facilmente aceita pela sociedade Chinesa. O pensamento Tai Chi e a sua filosofia Yin/Yang rapidamente se desenvolveram numa organização baseada no modelo do Templo Shaolin. Uma forma modificada de treinamento monástico foi adotada para promover o sistema sofisticado numa forma missionária.

Desta forma, o sistema do templo da Montanha Wu-tang enfatizou o poder interno e o desenvolvimento da sabedoria. Assim, os Chineses comumente se referiam ao sistema Tai Chi como o sistema interno, para distingui-lo do sistema de arte do Templo Shaolin.

Com o passar dos anos, também houve sistemas que combinaram elementos de ambos os sistemas, Tai Chi e Shaolin, de forma moderada no desenvolvimento de artes marciais. Estes hoje são conhecidos como o Hsing-I, o Sistema da Mente e da Forma, e o Pakua, o sistema de arte marcial dos Oito Trigramas.

As teorias Tai Chi foram facilmente aplicadas às artes marciais. Mente e corpo em harmonia com a ordem natural das coisas era a regra do Tai Chi. Isto ofereceu uma direção e desenvolvimento completamente diferente das outras formas técnicas de luta. O Tai Chi também desenvolveu alguns resultados em termos de habilidades humanas que surgem do poder da mente e assim tornou-se a arte marcial mais poderosa, que já foi conhecida

Os verdadeiros e dedicados mestres permaneceram nas montanhas e junto com seus seguidores levavam uma vida monástica com o objetivo de manter a arte pura. Eles meditavam e praticavam diariamente para manter o espírito, a condição da mente e disciplinar o corpo e elevar a essência. Desta forma o sistema original foi preservado mais ou menos intacto, com as disciplinas da mente e do corpo sendo incluídas no treinamento.

Os sobrenomes das famílias se associaram com os diferentes estilos do Tai Chi que foram sendo ensinados de boca a ouvido, de geração em geração, por exemplo o estilo Chen, o estilo Yang e o estilo Wu. Muitos destes são ainda conhecidos hoje. Cada estilo era distinto, mas todos seguiram os princípios Clássicos do Tai Chi. Hoje o estilo do templo Tai Chi é ainda considerado o sistema mais autentico, mas desde que rápidas mudanças da sociedade industrial deixam pouco espaço para tais sistemas sofisticados crescerem, ele declinou e desapareceu.

Tai Chi – estilos

O Tai Chi Chuan é uma arte chinesa que surge na história daquele país, por volta do ano 1200 de nossa era. Foi lendariamente criado por um monge taoísta de nome Chang San Feng. Conta a lenda que este monge era versado em diversas artes marciais e queria reunificar os princípios filosóficos e os princípios físicos que na época estavam dissociados devido a muitas guerras na China. Chang San Feng, observando a luta entre uma garça (grou) e uma serpente idealizou os movimentos do Tai Chi Chuan. Outra versão da origem do Tai Chi Chuan descreve seu nascimento no seio da família Chen com o Mestre Chen Wanting à 300 anos atrás.

Historicamente temos 5 estilos de Tai Chi Chuan; Chen, Yang, Wu, Wu e Sun. É importante saber que o nome de cada estilo surge desde o nome de seu criador e que na verdade, a palavra “estilo”, na China praticamente não se usa. Em chinês, quando se referem ao Tai Chi Chuan as pessoas literalmente dizem Tai Chi Chuan da família Chen ou Tai Chi Chuan da família Yang e assim por diante.

Desta feita, os criadores de cada um dos 5 estilos principais em ordem cronológica de aparecimento reconhecidos como tal na China atual são:

  • Estilo Chen – Chen Wang Ting
  • Estilo Yang – Yang Lu Chang
  • Estilo Wu – Wu Yuxian
  • Estilo Wu – Wu Jian Quan
  • Estilo Sun – Sun Lu Tang

Estilo Yang

Nome do local original de nascimento: cidade Guangfuzhen na área de Guangpingfu; Condado de Yongnian, província de Hebei + – 200 anos atrás.

Criador: Mestre Yang Lu chan que aprendeu com Mestre Chen Changxing 14a. geração da Família Chen.

Características especiais: movimentos suaves, lentos, velocidade homogênea, sem alteração de alturas, movimentos longos e grandes.

O estilo Yang de Tai Chi Chuan é trabalhado de forma muito fina, moderada, de forma racional e estruturada, de maneira firme, abrangente e completa, com certa natureza científica. Ele é uma combinação natural da arte marcial e um método para a preservação da saúde e cura de enfermidades. Ao mesmo tempo, combina de maneira exclusiva movimentos difíceis e ordinários, suaves e tensos. Esta combinação apropriada permite que o praticante sinta-se confortável, relaxado e feliz, desde o principio até o final, quando pratica a forma diversas vezes em uma sessão. A adaptabilidade do estilo é grande, sendo capaz de servir a diversas necessidades.

Mestres

GRAO MESTRE YANG ZHENDUO

yang

Nasceu em Pequim, na China Continental em 1924. Bisneto do Grão Mestre Imperial Yang Lu-Chan, criador do estilo Yang de Tai Chi. Seu pai, Yang Cheng-Fu, é a terceira geração na linhagem de transmissão do Estilo e foi quem estabeleceu as posturas que perduram até hoje. Atualmente praticantes de Tai Chi de todo o mundo aplaudem sua habilidade e técnica. Desde 1960 tem difundido o Tai Chi Chuan do Estilo Yang de província em província, vilas, fábricas, escolas e praças, através da China toda. Seu conhecimento também atingiu outros países e durante estes últimos 30 anos Mestre Yang Zhen-Duo tem trabalhado duro para manter o nível de suas instruções e sempre desenvolve-las. Atualmente tem mais de 300.000 discípulos pelo mundo todo.

MESTRE YANG JUN

yang_jun

Nascido em 1968 em Taiyuan – Capital da Província de Shanxi na República Popular da China, Mestre Yang Jun é a sexta geração descendente do criador do Estilo Yang de Tai Chi Chuan. Filho de Yang Dao Fang e neto do Mestre Yang Zhenduo, Yang Jun é o futuro detentor da herança da Família Yang. Mestre Yang Jun iniciou seus treinamentos quando tinha apenas 5 anos de idade. Ele adquiriu a maestria nas técnicas do Tai Chi Chuan de mãos vazias, Espada Tai Chi, Sabre Tai Chi, Tue Shou (Empurrando com as mãos) e muitas outras formas de Tai Chi. Após vinte e um anos e dúzias de seminários por todo o mundo, Mestre Yang Jun tornou-se um professor de alto nível. Suas habilidades são inquestionáveis. Suas formas combinam a suavidade e a dureza, o equilíbrio com a leveza, transmitindo a intenção em todos os seus movimentos, com grande força e graciosidade. Mestre Yang Jun é graduado em Educação Física pela Universidade de Shanxi desde 1989. Em 1995 a Academia Chinesa de WuShu, o reconheceu como Grande Mestre na Província de Shanxi e serviu como Vice Presidente de Operações e Treinamento na Associação do Estilo Yang na província de Shanxi com mais de 30.000 membros em sua cidade natal. Em 1996 foi certificado como Juiz de alto nível Nacional e serviu como Juiz principal na Competição Nacional na China no ano de 1998.

Os Dez Pontos Importantes de Yang Cheng-Fu
Comentados pelo Mestre Yang Zhenduo

Na primeira parte da forma estão contidos os 10 princípios que devem ser observados muito atentamente, desde a primeira saída de movimentos.

  1. Energia leve e sensível no topo da cabeça
    Fique ereto e mantenha a cabeça e o pescoço naturalmente eretos com a mente concentrada no topo da cabeça. Não tencionar demais pois isto não permite que o sangue e a energia vital circulem suavemente.
  2. Afundar o peito e arredondar as costas
    Mantenha o peito ligeiramente para dentro o que o capacita a afundar ou submergir a respiração no Tan Tien (baixo ventre). Não deixe o peito para fora (protuberante) pois isto vai fazer com que a respiração torne-se difícil e de alguma forma o topo vai ficar pesado. Uma grande força pode surgir desde a espinha apenas quando você mantém a energia vital no baixo ventre.
  3. Relaxar a cintura
    No corpo humano, a cintura é a parte dominante. Quando relaxamos a cintura, os dois pés terão força o suficiente para formar uma base sólida. Todos os movimentos dependem da ação da cintura como se diz nos clássicos: “A força vital vem desde a cintura”. Os movimentos desajeitados no Tai Chi Chuan surgem de ações erradas da cintura.
  4. Discernir cheio e vazio
    É de importância primeira no Tai Chi Chuan distinguirmos entre “Xu” vazio e “Shi” cheio. Se mudamos o peso do corpo para a perna direita então a perna direita vai esta plantada solidamente no solo e a perna esquerda vai estar na forma vazia. Quando o peso está na perna esquerda, então a perna esquerda estará solidamente plantada no solo e a perna direita vai estar na forma vazia. Apenas desta forma poderemos girar e mover o corpo sem esforço e corretamente., de outra forma seremos lentos demais e desajeitados nos movimentos sem sermos capazes de permanecer estáveis e firmes em nossos pés.
  5. Afundar os ombros e cotovelos
    Devemos manter os ombros na posição natural e relaxados. Se elevamos os ombros, o chi vai subir com eles e todo o corpo vai ficar sem força. Devemos também manter os cotovelos para baixo senão não seremos capazes de manter os ombros relaxados e mover nosso corpo de forma suave.
  6. Usar a mente e não a força
    Entre as pessoas que praticam Tai Chi Chuan é bastante comum ouvir o comentário: “É questão de usar inteiramente a mente, não a força”. Na prática do Tai Chi Chuan, todo o corpo está relaxado e não há idéia de força bruta ou endurecida nas veias ou juntas por trás dos movimentos do corpo. As pessoas podem perguntar: – Como é possível se aumentar a potência ou a resistência sem exercer força? De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa no corpo humano existe um sistema de canais, os meridianos que ligam as vísceras com as diferentes partes do corpo, fazendo do corpo humano um todo integrado. Se o meridiano não estiver bloqueado, a energia vital vai circular no corpo inteiro. Mas se o meridiano for preenchido com força bruta, a energia vital não será capaz de circular e consequentemente o corpo não vai se mover facilmente ou suavemente. Deve-se assim usar a mente ao invés da força bruta, pois assim a energia vital irá seguir a consciência e circular por todo o corpo. Através da prática persistente seremos capazes de cultivar e desenvolver uma força interna genuína. Isto é o que os expertos em Tai Chi Chuan chamam de: “Flexível na aparência, mas poderoso na essência”. Um mestre de Tai Chi Chuan tem braços que são tão fortes como varas de aço recobertas de algodão, com imenso poder oculto. Os boxeadores da “escolas externas” ( um ramo de wushu que enfatiza o ataque, opostamente as “escolas internas” que enfatizam a defesa), parecem poderosos quando exercem força, mas quando param de exercer força, o poder já não existe mais. Assim sendo uma força meramente superficial.
  7. Coordenar o Superior e o Inferior
    De acordo com a teoria do Tai Chi Chuan a raiz está nos pés, a força é emitida através das pernas, controlada pela cintura e expressa pelos dedos; os pés, pernas e a cintura formam um todo harmonioso. Quando as mãos e a cintura e as pernas se movem, os olhos devem seguir o seu movimento. Isto pode acontecer quando houver coordenação entre a parte superior e inferior. Se alguma parte para de mover-se, então os movimentos serão desconectados e cairão em desordem.
  8. Harmonia entre o Interno e o Externo
    Praticando Tai Chi Chuan o foco está na mente e na consciência. Daí o dito: “a mente é o comandante e o corpo seu subserviente”. Com a tranqüilidade da mente, os movimentos serão suaves e graciosos. Com relação à “forma” há apenas o “Xu” (vazio), shi (sólido), kai (aberto) e he (fechado). Kai (aberto) não significa apenas abrir os quatro membros, mas a mente também; e he (fechado) significa fechar a mente junto com os quatro membros. A perfeição é atingida quando se unifica os dois e se harmoniza o interno e o externo num todo completo.
  9. Importância da Continuidade
    No caso das escolas externas (que enfatizam o ataque) a força que se exerce é rígida e os movimentos não são contínuos, mas acontecem paradas de movimentos que permitem que o oponente possa tirar vantagem. No Tai Chi Chuan se focaliza a atenção na mente e não na força e os movimentos de início ao final são contínuos e num círculo infinito, assim “como um rio que flui sem fim” ou “como tirar cera do casulo.”
  10. Tranqüilidade no Movimento
    No caso das “Escolas Externas” de boxe, a ênfase é colocada em saltar, dar pancadas, socar e exercer força, e assim freqüentemente o praticante fica ofegante após a prática.
    No Tai Chi Chuan o movimento é combinado com a tranqüilidade e enquanto se executa os movimentos, se mantém a tranqüilidade da mente. Na prática da “forma”, quanto mais lento o movimento, melhores resultados são conseguidos. Isto acontece porque quando os movimentos são lentos, pode-se respirar profundamente e submergir a respiração no Tan Tien. Isto produz um efeito suavizante no corpo e na mente.
    Aprendizes de Tai Chi Chuan irão conseguir uma melhor compreensão de tudo isto, através de estudo cuidadoso e prática persistente.